quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O calor que mata!

A desnaturação proteica é um fenômeno que ocorre com proteínas, ocasionado por agentes químicos ou excesso de calor. Sabe-se que algumas proteínas corporais desnaturam a partir de 40 -45 °C (por isso que um estado febril é tão perigoso para o ser humano).
Dessa informação surgiu a dúvida de um leitor do blog: a piastra (ou chapinha/ prancha) poderia causar alterações na queratina dos cabelos? Qual temperatura o cabelo realmente suporta?

Fui aos livros e artigos científicos para buscar essa informação, e eis o que encontrei:

- Em temperaturas inferiores ou iguais a 100 °C, á água livre ou fracamente ligada ao cabelo (umidade gerada por molhar os cabelos ou devido a umidade do ar) evapora.
- A evaporação da água mais fortemente ligada à estrutura, ou seja, a água que faz parte da constituição do fio capilar ocorre a 135 °C. A partir dessa temperatura se tem uma desnaturação da queratina. Ela perde a sua forma original passando a ter o formato que for moldado (liso pela piastra, encaracolado pelo rolo). Quando umedecida novamente, a queratina tem a capacidade de recuperar o seu formato original.
- A transição vítrea é um fenômeno que leva o fio a uma perda na sua tenacidade ("elasticidade”) e sua ocorrência depende do teor de umidade do fio. Uma transição vítrea (irreversível) ocorre a uma temperatura entre 230 e 250 ° C.
- A uma temperatura superior a 350 ° C, termogravimetria mostra uma perda rápida de massa ligadas à quebra e decomposição da cadeia de queratina.

Ou seja:

-Quando a temperatura da piastra é mantida abaixo de 230 °C ela consegue remover a umidade, rompendo as pontes de hidrogênio, dando um novo formato para o fio. Nessa temperatura ainda não há um drástico dano permanente. O que ocorre é que essa retirada de água pode diminuir um pouco a tenacidade do cabelo (temporariamente), deixando ele mais sucetível à quebra. Além disso, a fricção entre a piatra e o fio provoca danos mecânicos (como se fossem "arranhões").
- Essa umidade removida pode ser parcialmente ou quase totalmente reposta (dependendo do cabelo e da freqüência do uso da piastra), sendo possível recuperar a tenacidade e a forma do cabelo.
- Se o cabelo é exposto à temperatura acima de 230°C danos PERMANENTES ocorrem, ou seja, não é possível recuperar com tratamentos cosméticos.
- Acima de 350 °C você pode dizer adeus aos cabelos! E se você nesse momento está rindo, achando que isso não é possível, saiba que existem pessoas que ao invés de usar a piastra usam o ferro de passar roupa para alisar os cabelos. O ferro é igual a piastra, contudo ele não tem controle de temperatura, dessa forma, pode acontecer dele atingir 350 °C e consequentemente destruir os seus cabelos!


quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Frizz!

Frizz... o que quer dizer essa palavra tão pequena mas que surge como uma catástrofe na vida de algumas mulheres??

Frizz é o resultado do excesso de cargas negativas na superfície capilar.

Einh?!?!?!
Calma... eu explico!

As cargas de um cabelo são determinadas pelos íons presentes nele. Esses íons são moléculas que podem ter carga positiva ou negativa. Entre as leis da física que explicam os fenômenos elétricos está a “Lei da Atração e Repulsão”.  Essa lei diz que: corpos com mesma carga se repelem, corpos com cargas opostas se atraem e corpos neutros (sem carga) nem se atraem nem se repelem.
Na composição da haste capilar existem diversos lipídios (óleos e gorduras) na região da superfície (ou próximos a ela). Esses lipídios são formados por átomos que geralmente conferem para o cabelo uma carga negativa. Quanto mais desses compostos estiverem na superfície maior será a carga negativa de cada fio.
Se todos os fios de cabelo apresentam uma carga negativa a tendência é que ocorra repulsão entre eles. Logicamente que o seu cabelo não vai ficar todo em pé, até porque a força da gravidade tende a “empurrar” ele para baixo. Entretanto, esse fenômeno é facilmente visualizado nos fios da parte de cima da cabeça, sendo conhecido como frizz. Ou seja, o frizz é um excesso de cargas negativas que faz com que os cabelos mais externos consigam se “afastar” dos demais, conferindo uma aparência indisciplinada.

Entre os motivos que causam esse efeito estão:
- Uso de shampoo: o shampoo extrai os lipídios com carga negativa para a superfície capilar, ainda podem ceder íons negativos para o cabelo dependendo dos componentes de sua formulação.
- Poluição: partículas de poluição com carga negativa tendem a se depositar sobre os fios.
- Radiação solar: a radiação solar provoca a formação de radicais livres, que são moléculas dotadas de carga negativa muitas vezes.
- Processos químicos aplicados aos cabelos (descolorantes, tintas, alisantes, permanentes).
- Uso excessivo de pranchas de alisamento (chapinha) ou escova com secador.

Como resolver esse problema?

Uma das maneiras mais utilizadas é através da neutralização dessas cargas. Para isso é necessário a aplicação de íons positivos no cabelo. Esses íons positivos vão interagir com os íons negativos do cabelo conferindo uma “carga resultante” neutra. Essa aplicação pode ser feita através de:
- Uso de cremes, máscaras, condicionadores a base de compostos com carga positiva, como os compostos amônio quaternários (poliquartenium e cloreto de betrimonium). Esses compostos químicos, quando aplicados ao cabelo, tendem a neutralizar as cargas negativas, dando uma aparência final mais disciplinada aos fios, reduzindo o frizz.
- Uso de formulações a base de alguns tipos de silicones. Esses formam uma camada (filme protetor) ao redor desses íons isolando eles e anulando seu efeito de repulsão.
- Uso de dispositivos que emitam compostos positivamente carregados. Alguns secadores de cabelo, pranchas de alisamento, escovas de cerâmica possuem esses compostos e auxiliam na neutralização dessas cargas negativas do fio. (pelo menos é o que diz o fabricante!)


sábado, 16 de outubro de 2010

Orgânico: a palavra da vez!

Poluição, desmatamento, efeito El ninho, aquecimento global... Ok! Não somos os seres mais “limpinhos”... ninguém se preocupa com o futuro e com a saúde do planeta... ou pelo menos não se PREOCUPAVA!
A onda do momento é o verde, o sustentável, o reciclável, o ORGÂNICO! Logicamente que toda essa preocupação e conscientização uma hora tinham que ser incorporadas aos cosméticos!
O post de hoje é em homenagem a uma grande farmacêutica com a qual tenho o privilégio de trabalhar: Evelise Assumpção. Ela desenvolveu o trabalho de conclusão de curso dela na área de cosméticos orgânicos e gentilmente me cedeu as informações para esse post!

Como algumas pessoas devem saber (e outras ainda não) os cosméticos usuais do mercado são quase que em sua totalidade a base de derivados do petróleo, como, por exemplo, a parafina e o óleo mineral. Entretanto esses compostos tem uma degradação lenta, consequentemente sendo mais poluentes. Com base nisso surgem os cosméticos e as matérias-primas orgânicas.
Enquanto as vendas dos produtos tradicionais crescem de 5 % a 10 % por ano, os cosméticos orgânicos crescem anualmente de 20 % a 25 %. Apenas na Europa, encontram-se mais de 1.000 empresas certificadas e mais de 11.000 produtos certificados em mais de 38 países.

Mas você sabe o que quer dizer orgânico?

Um cosmético pode ser certificado (certificar = assegurar como verdadeiro) como sendo orgânico se a formulação do mesmo contiver pelo menos 95 % de matérias-primas certificadas orgânicas, ou possuir certificação de cumprimentos de questões ambientais, econômicas e sociais que fazem parte dos princípios e critérios da Forest Stewardship Council. Já uma matéria-prima somente poderá ser classificada como orgânica e receber esta certificação se for 100 % orgânica, ou seja, obedecer a todos os critérios de produção, extração e processamento para um produto orgânico. Ainda existem os produtos verdes. Esses produtos são aqueles considerados ecologicamente corretos, ou seja, que são produzidos através de processos e matérias-primas que possam causar menos riscos às pessoas e ao meio ambiente. Contudo esses produtos não tem a certificação de orgânico, pois não seguem TODAS as normas das agências certificadoras.



Quais são as agências certificadoras no Brasil?
No Brasil, o IBD e a ECOCERT são as agências que fiscalizam e certificam os produtos e processos orgânicos. Essas agências possuem alguns padrões de certificações divergentes, como por exemplo, a presença da água utilizada na formulação. Para a IBD, a água não é considera como ingrediente, não sendo levada em consideração nos cálculos da porcentagem de ingredientes orgânicos e/ou naturais. Já para a ECOCERT, a água é considerada um ingrediente natural. Outra divergência é em relação à classificação, para a IBD os produtos são classificados como “orgânicos” ou “com ingredientes orgânicos”, já para a ECOCERT são classificados como produtos “ecológicos e orgânicos” ou “ecológicos”.
Tanto a IBD quanto ECOCERT estão de acordo no que diz respeito a utilização de  matéria-prima animal, proibindo o uso de matérias-primas que levem à morte ou causem danos aos animais, porém ambas autorizam o uso dessas quando as mesmas não trazem prejuízos aos animais e não hajam substitutos. Ambas também proíbem os testes em animais para certificar a segurança e eficácia do produto cosmético.
Há também processos proibidos para obtenção de matérias-primas nos cosméticos orgânicos, como por exemplo, etoxilação, sulfonação, fosfatação, propoxilação, polimerização, deterpenação, descoloração e sulfatação. A etoxilação e a sulfonação são processos não permitidos por ambas as certificadoras e a sulfatação é um processo considerado permitido pela ECOCERT.

Porque ter o selo (certificação) é importante?
A certificação é um processo importante, pois assegura o controle da cadeia de fornecedores de acordo com normas, sendo possível a rastreabilidade desde a produção até a venda ao consumidor, passando por inspeções e garantindo, assim, um produto diferenciado. O objetivo da certificação é aumentar a confiabilidade da marca, que leva o selo, garantindo a fidelidade às normas seguidas pelas agências certificadoras.

Qual a vantagem de ser orgânico?
A principal vantagem dos cosméticos orgânicos é que esses proporcionam um impacto favorável ao meio ambiente, não realizam testes em animais e tem uma possibilitada reduzida de causar efeitos adversos ao nosso organismo (como alergias, dermatites).

MAS CUIDADO!!!!

Não é porque é orgânico, verde ou natural que ele é hipoalergênico!!! Cosméticos orgânicos não são necessariamente hipoalergênicos ou indicados para peles sensíveis. Sabe-se que processos alérgicos são diferentes de processos irritativos e ambos podem não estar relacionados com a qualidade de um produto. Pode-se dizer, no entanto, que os cosméticos orgânicos são mais seguros ao analisarmos as estatísticas, as quais mostram que grande parte das reações irritativas e alérgicas são causadas por conservantes e outras substâncias tradicionalmente utilizadas em cosméticos comuns, mas que são proibidas nos orgânicos.


E se você acha que por ser orgânico/verde, por ser a base de produtos naturais, oriundos da terra, esses cosméticos são simples e sem tecnologia, saiba que vocês está enganado!!!

Aqui em Porto Alegre a Inventiva já possui uma linha nanotecnológica Verde!!!!

Sim!!! Os três insumos que integram a linha - Nutri Ômega LV, Nutri Balance LV e Nutri Hair LV – são elaborados a partir da tecnologia Nanoinvent Verde, desenvolvida exclusivamente pela Inventiva. A produção é feita com matérias-primas obtidas através de procedimentos ecologicamente corretos e podem ser utilizados em cosméticos orgânicos. Os produtos da Linha Verde têm alto poder de hidratação, são não-comedogênicos e não contêm parabenos, etoxilados e derivados de petróleo!


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

pH... einh?!

Ah... esse tal de pH. Em tudo que é cosmético ele aparece: “pH neutro”, “pH balanceado”, “pH ácido”... MAS MEU DEUS, O QUE ISSO QUER DIZER?!?

Calma, é mais simples (ou mais complicado) do que parece!

O pH é o potencial hidrogeniônico (= potencial + hidrogênio + iônico), indica a concentração de íons H+ em um meio. E é assim mesmo que se escreve, com p minúsculo e H maiúsculo! Em palavras mais simples, o pH é um índice que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de um meio qualquer.

Imagine uma balaça:

- De um lado estão os valores que indicam acidez (de 0 a 6,9), quanto mais perto de zero mais ácido é.
- Do outro lado estão os valores que indicam alcalinidade (de 7,1 a 14), quanto mais próximo de 14 mais alcalino (“adstringente”) é.
- O meio da balança, ou em outras palavras o equilíbrio de tudo, é a neutralidade (7).

Mas o que tem a ver esse tal de pH com os cosméticos??? TUDO!
Nosso corpo apresenta diferentes pH dependendo da região. Podendo ir do alcalino ao ácido!!! Porque? Devido à composição química e biológica de cada região! Não existe um pH perfeito para o corpo e outro vilão. A falta de conhecimento sobre “o que é o pH” leva as pessoas a falarem besteiras. Existe, por exemplo, um mito que tudo o que é ácido é prejudicial. Por exemplo:
- Tomara coca-cola prejudica o estômago porque o pH da coca-cola é 2,5. MITO! O pH do estômago é 1,2!!!! Bem mais ácido que o da coca-cola!
- Shampoo tem que ser neutro para não prejudicar os cabelos! MITO! O pH ideal para os cabelos é o mesmo que o da pele: ÁCIDO! Sim! Por volta de 5.

Um vez cheguei a ouvir de um cabeleireiro que o ideal era o shampoo SEM pH (?)!
Ele ainda reforçou que o pH deveria ser zero! Já pensou?? Um shampoo totalmente ácido!!! Nesse pH sim era capaz de dissolver todos os fios!!!

Bom, vamos então para a explicação de alguns cosméticos e seus pHs:
- Shampoo de criança é melhor que seja neutro, pois o pH da lágrima é 7,2. Dessa forma um shampoo com pH próximo a 7 tende a ser mais compatível com a mucosa ocular, de forma que se acidentalmente atingir o olho não irá machucar tanto.
- Sabonete infantil deve ter um pH ácido, mais próximo ao da pele (5,5). Isso evita que as defesas naturais da pele infantil (que ainda não é madura suficiente para promover uma proteção total) sejam removidas.
- Sabonete íntimo deve ter um pH mais ácido. A mucosa vaginal é composta por lactobacilus (é! Parecidos com os do Yakult!), esses são essenciais para a proteção contra infecções nessa área. Se o pH dessa área for modificado (deixar de ser ácido), esses organismos podem ser eliminados e consequentemente a proteção que eles conferem também o será.
- Shampoo de limpeza profunda tem um pH mais alcalino. O pH alcalino auxilia na solubilização dos lipídios (sebo, graxa) que dão um aspecto de sujeira para o cabelo. Além disso, o pH alcalino proporciona a abertura das escamas dos cabelos auxiliando o shampoo a penetrar mais profundamente, tendo um efeito de limpeza maior.
- Shampoo hidratante deve ter um pH mais ácido. Ele se torna menos agressivo e evita o ressecamento dos fios.

Para quem ficou curioso mais alguns pHs do nosso organismo:
pH pele: 5,5
pH cabelo: entre 4,2 e 5,8
pH da saliva: de 6,8 a 7,2 (depende do que você come durante o dia)
pH do estômago: de 0,9 a 2,0
pH do duodeno: 6,8
pH intestinal: 7,4
pH do sangue: 7,4
pH: lágrima: 7,2
pH vaginal: 4,8
pH semem: 8,0


terça-feira, 13 de julho de 2010

Tioglicolato ou Guanidina?

Ajudei o pessoal do blog Expert em Beleza a fazer um post sobre esses dois alisantes mais usados no mercado!

Como funcionam?
Qual o melhor?
Qual o mais agressivo?

Está tudo lá... se quiser da um pulinho lá para ler! (clique aqui)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

INVENTIVA - o nome não poderia ser melhor!

Você tem um sonho? Uma meta? Um ideal profissional?
Eu tenho! Tenho muita vontade de ter um pequeno negócio próprio, onde eu possa formular meus próprios produtos e aplicá-los nas minhas clientes. Um lugar onde se tenha uma mistura de estética, dermatologia, tecnologia cosmética e acima de tudo SERIEDADE.
É... to cansada do blá, blá, blá dos salões de beleza e estéticas comuns, onde as explicações dadas pelos profissionais são infundadas, incorretas e muitas vezes mentirosas. Quero tentar fazer algo correto, com explicações lógicas e verdadeiras! Não basta conseguir vender o produto, é preciso deixar claro até onde ele pode ir! Do contrário o resultado pode ser um cliente insatisfeito, que se sente enganado e não retorna mais!

Enfim... ideologias minhas a parte, o post de hoje é pra apresentar uma das empresas que está dentro desse meu sonho. É uma empresa que prepara matéria prima nanotecnológica, e que se tudo der certo um dia pra mim, é com quem quero fechar parceria para produzir parte das minhas matérias primas. Conheço quase todas as farmacêuticas que trabalham nessa empresa e por isso sei da seriedade delas na formulação e produção de todos os produtos. Apresento para vocês então a INVENTIVA!

Inventiva: nanotecnologia a serviço da beleza

Nesse ano em que o mercado brasileiro de cosméticos deve movimentar R$3 bilhões, a Inventiva Alta Tecnologia para o Bem Estar, uma das empresas pioneiras na área de Nanotecnologia em cosméticos, recebeu apoio do Governo Federal através dos projetos do FINEP, CNPq e INOVA, e aposta na ampliação de sua linha de produtos.
A empresa especializada no desenvolvimento e produção de insumos nanotecnológicos a partir de matérias-primas biodegradáveis e biocompatíveis, fornece produtos personalizados e soluções inteligentes para indústrias cosméticas, farmácias de manipulação e distribuidoras.
Produtos da Inventiva pesquisados e desenvolvidos para peles maduras e jovens; para um bronzeado mais duradouro e intenso; para gestantes com alto poder de hidratação, evitando a formação de estrias; além de produtos para cabelos que garantem mais hidratação, brilho e reparo os fios danificados; são adquiridos por diversas indústrias de todo o país com o objetivo de proporcionar mais qualidade aos seus produtos.
Segundo a diretora da Inventiva, Cândice Felippi, esse ano será promissor para a empresa, pois os inúmeros projetos contemplados foram disponibilizados em boa hora e irão alavancar os negócios em, aproximadamente, 80%. “Estes incentivos, como o Inova, nos ajudarão no desenvolvimento de novos produtos com base em nanotecnologia, utilizando matérias-primas provenientes do nosso estado como o óleo de arroz e sementes de uva. Isso irá auxiliar nossos clientes a atingirem o sucesso por meio de soluções inteligentes e produtos inovadores de alta qualidade”, conclui a empresária.

Siga a inventiva no Twitter: http://twitter.com/inventivanano

sábado, 15 de maio de 2010

Perfumes

Entre os cosméticos mais utilizados diariamente estão os perfumes. Definitivamente esse é um cosmético usado tanto por mulheres como por homens. Mas o que exatamente é um perfume? Do que ele é composto? Seria ele uma essência única preparada em laboratório por químicos experts? O que é o fixador que diferencia tanto esses perfumes? Por que recomendam que o perfume seja colocado no corpo e avaliado após algumas horas, e não simplesmente cheirando-o no frasco? Qual a diferença entre Eau de parfum e Eau de toilette?

Vamos contextualizar então:
Um perfume é uma mistura de várias essências diferentes (sintéticas ou naturais) em um meio hidroalcoolico. Cada essência possui um ponto de ebulição diferente, fazendo com que sua liberação seja diferente ao longo do tempo.

Essas essências são dividas, então, conforme sua volatilidade:

NOTA DE TOPO (ou DE SAÍDA): são as essências que tem uma volatilidade maior e representam de 10 a 20 % do total de essências. Elas são responsáveis pela primeira impressão (o impacto) do perfume, são o cheiro percebido quando o frasco de perfume é aberto. A escolha da composição da note de topo é muito importante, pois geralmente é ela a responsável pela aceitação ou não do produto. A durabilidade da nota de topo varia, mas geralmente é de aproximadamente um 10 minutos.

NOTA DE CORPO (ou DE MEIO): são consideradas o “caráter”, o “coração” do perfume. São as moléculas que melhor caracterizam, sendo responsáveis pelo reconhecimento do perfume. Elas compões 40 % da essência e por terem uma volatilidade permanecem mais tempo na pele, tendo uma duração de 15 minutos a 4 horas.

NOTA DE FUNDO: é a parte final de um perfume, sendo a porção residual. É formada por moléculas pesadas, com uma volatilidade menor, responsáveis pela fixação do odor do perfume na pele. Sim! A nota de fundo é o FIXADOR e o fixador também é uma essência! Ao contrário do que algumas pessoas pensam o fixador não é apenas uma substância que mantém o cheiro do perfume por mais tempo, e sim uma essência que além de aumentar a duração das demais notas, ainda em um papel importante na composição do aroma final do perfume. A nota de fundo representa os 40 % finas da quantidade de essência e pode chegar a durar 8 horas na pele (e até mais tempo nas roupas!).

Conforme vocês puderam observar, cada nota pode ser composta por mais de uma essência. Assim, uma composição de várias essências forma um ACORDE, ou seja, a combinação de diferentes notas forma um acorde. Quando esses acordes são combinados tem-se a obtenção de uma FRAGRÂNCIA comumente chamada de PERFUME.

Algumas curiosidades sobre perfumes:

Existem diferentes tipos de perfumes conforme a percentagem de essências totais que eles apresentam, são eles:
     - Parfumeee (ou extrato de perfume): a forma mais concentrada, entre 20%-40% (~25%) de essências.
     - Eau de parfum EdP (deo perfume): varia de 12-18% (~15%) de essências.
     - Eau de toilette EdT: varia de 8-14% (~10%) de essências.
     - Eau de cologne EdC (deo colônia): varia de 3-7% (~5%), baixa concentração de essências.
     - Splash Perfumes EdS: contém aproximadamente 1% de compostos aromáticos (essência).

As notas de fundo, ou fixadores, são moléculas de difícil obtenção. As melhores notas de fundo eram de origem animal. Sim! Animal! E pasmem, eram retiradas de partes do corpo que racionalmente não combinariam com perfumes. Alguns exemplos são:
     - Musk, ou almíscar – feito da secreção de uma glândula de um tipo de veado.
     - Âmbar – originalmente extraído do intestino dos cachalotes (uma espécie de baleia).
     - Civet – aroma extraído da glândula sexual do civeta, um gato selvagem que vive na África e na Índia. Tem um odor fecal, com extraordinário poder de fixação e sensualidade (eu realmente nunca imaginei!).
Mas calma!!! Hoje em dia a maioria dessas essências foram substituídas por essências sintéticas, para evitar a extinção de algumas espécies de animais!

Os fixadores são as moléculas mais caras, e logicamente quanto melhor mais caro ainda. Por isso os melhores perfumes (aqueles que fixam mais, ficam mais tempo na pele) são os mais caros.

O ciclo menstrual feminino interfere na fixação dos perfumes. Sim! A oscilação hormonal pode fazer com que um perfume fique mais ou menos tempo retido na pele. Como?
       - No período de ovulação há um aumento de temperatura corporal que pode auxiliar na evaporação precoce de algumas essências.
       - No meio do ciclo menstrual há um pico na concentração de colesterol e triglicerídeos na pele feminina. Esses compostos podem influenciar também na maior ou menor fixação de determinadas essências.

Para quem quiser conhecer algumas famílias de aromas e a composição de alguns perfumes famosos acesse o link “A magia do perfume”, citado nas literaturas interessantes (abaixo).

Se você quiser saber mais sobre perfumes mande suas dúvidas pra mim!

Leitura interessantes:

Processo de criação de um perfume, Revista eletrônica de jornalismo científico.

Aromas da natureza são capturados e reconstituídos pela indústria do perfume, Revista Ciência e Cultura

Estudo da substantividade de uma composição aromática na pele em função do ciclo menstrual, Dissertação de Mestrado de Claudia Silva Cortez Pereira (USP)

A magia do perfume, Célia Pardi

domingo, 21 de março de 2010

Os ativos e tratamentos para celulite

Conforme prometido o último post da “série celulite” traz alguns ativos e tratamentos para a celulite. Mas antes que você me pergunte se eu acho que alguns desses ativos ou tratamentos realmente funcionam, eu deixo de lado as minhas palavras para colocar aqui as palavras da PhD Karl Lintner:
“[...] Há muito menos publicações sobre os tratamentos anticelulite testados e substanciados em voluntários humanos do que resultados testados in vitro descrevendo mecanismos interessantes para atacar o problema. Esse fato pode basear-se na seguinte situação paradoxal: se um resultado clínico demonstrar redução significativa no surgimento da celulite e redução da gordura hipodérmica, será difícil argumentar que não houve “alteração fisiológica” promovida pelo produto e por alguns de seus “ativos” o que fará que o produto seja considerado medicamento, conforme a maioria das regulações. Se os resultados obtidos forem menos espetaculares, embora aceitáveis, do ponto de vista de marketing, será difícil conseguir publicação em revistas científicas. [...]” (Cosmetic & Toiletries Brasil, Jan/Fev 2010)

Ou seja, um bom produto terá que ser registrado como medicamento, o que acarreta um gasto de dinheiro e tempo para uma indústria, dessa forma a opção passa a ser por um produto não tão espetacular, com um resultado razoável que no meio científico não terá “força” para publicação.
Mas enfim... vamos aos ativos e tratamentos para a celulite!

Para que um ativo tenha ação contra a celulite ele deve ser um agente que:

Aumente o fluxo microvascular: para aumentar o fluxo microvascular e a drenagem linfática.
Reduza a lipogênese e promova a lipólise: Com o objetivo de reduzir o tamanho e volume dos adipócitos, diminuir a tensão em torno do tecido conjuntivo (que acredita-se que diminua o aspecto clínico da celulite).
Restaure a estrutura normal do tecido dérmico e subcutâneo: Através do espessamento da derme ou impedindo a herniação de gordura no tecido superficial.
Impeça a formação ou destrua os radicais livres: Acredita-se que os radicais livres modifiquem os ácidos graxos livres pela peroxidação lipídica, contribuindo para a disponibilidade de lipídios livres para a formação de celulite. Os radicais livres podem ainda danificar os elementos da microcirculação.

Entre os ativos disponíveis no mercado estão:

Agentes que aumentam o fluxo microvascular
Castanha da índia (Aesculus hippocastanum)
Ginkgo biloba: aumenta a perfusão sangüínea. Estudos apontam seu potencial vasomotor e antioxidante.
Rutina: As principais fontes são os vegetais folhosos e frutas cítricas. Ela aumenta o tônus venoso, e acredita-se que tenha associado uma ação “impermeabilizante capilar”, semelhante a vitamina P, devido a inibição da hialuronidase. Tal ação impediria a passagem de proteínas que contribuiriam para a formação do edema, evitando um dos problemas que desencadeiam a celulite.
Pentoxifilina: uma metilxantina, melhora a perfusão na microcirculação, principalmente através de efeitos hemorreológico, e tem demonstrado ser muito útil no tratamento da insuficiência vascular periférica.
Centella asiática: A centela (Centella asiatica) é uma planta herbácea anual da família Apiaceae, nativa da Austrália, Ilhas do Pacífico, Nova Guiné, Melanésia, Malásia e Ásia. É muito utilizada em tratamentos contra a celulite.
Comum hera (Hedera helix - Ivy): trepadeira do género Hedera, família Araliaceae. É natural da Europa Central e Ocidental.
Agentes que reduzem a lipogênese e promover a lipólise
Metilxantinas: teobromina, cafeína, aminofilina, teofilina. Esses compostos são encontrados principalmente no café, chocolate, erva mate (chimarrão) e refrigerantes como os derivados de cola e guaraná. Tem como ação aumento da circulação sangüínea, aumento da lipólise e redução do tamanho dos adipócitos (mas essa regra não vale para associação desses com açúcar, como nos refrigerantes!)

Agentes que restauram a estrutura normal do tecido dérmico e subcutâneo
Retinol (vitamina A): estimula a síntese de colágeno e renovação cutânea.
O ácido ascórbico (vitamina C).

Agentes que impedem a formação ou promovem a destruição dos radicais livres (antioxidantes)
Alfa-tocoferol (vitamina E)
O ácido ascórbico (vitamina C)
Gingko biloba
As uvas vermelhas (Vitis vinifera): Resveratrol.

Outros tipos de tratamentos:

Drenagem linfática: é um método físico para reduzir a estase (baixo fluxo) de fluido linfático e substâncias tóxicas nos tecidos. A drenagem linfática não é (ou não deveria ser) traumática, e sim uma técnica de massagem suave. A drenagem linfática manual tem sua base científica nos estudos e nos ensinamentos de Foldi e Leduc. Trata-se de uma série de compressões sobre o sistema linfático para melhorar seu fluxo. Ciclos periódicos de drenagem linfática manual são recomendados por Vodder, principalmente, para manter os tecidos livres de congestão linfática. Muitos estudiosos da área acreditam que a drenagem linfática feita com as mãos (e não com outros equipamentos) é o único método que dá resultados aceitáveis.
Aqui cabe ressaltar uma diferença entre drenagem linfática e massagem estética – drenagem é essa massagem suave, mais superficial para deslocamento de líquido estagnado nos tecidos mais superficiais (que podem desencadear a celulite). Massagem estética é uma massagem mais severa (muitas vezes dolorida) que objetiva a movimentação do tecido adiposo para regiões onde esse possa ser melhor metabolizado (não sei se isso é válido, mas algumas pessoas relatam que funciona).

Carboxiterapia: é o uso terapêutico de dióxido de carbono (CO2) no estado gasoso por injeção transcutânea ou subcutânea. Ao nível vascular, aumenta o tônus vascular de CO2 e produz vasodilatação ativa da microcirculação. A vasodilatação induzida pelo CO2 tem resultados pela ação direta de CO2 na arteríola das células musculares lisas. Além disso, promove o efeito Bohr, um mecanismo que permite a transferência de CO2 dos tecidos para os pulmões e de O2 do pulmão para os tecidos através da curva de dissociação da oxihemoglobina. Quando administrado através de uma rota externa, o CO2 promove este mecanismo, resultando em uma maior oxigenação do tecido e neoangiogênese (nova formação de vasos sangüíneos).
Efeitos colaterais:
Ardor ou dor opressiva, no local da injeção, relacionadas ao fluxo de velocidade e limiar de dor do paciente
Sensação de peso, relacionada com a dose de tratamento
Rubor e calor no local de injeção
Equimose (“mancha”, marca deixada pelo sangue extravasado sobre a pele)
Crepitações subcutâneas (sensação de “estalinhos”), de duração variável (não mais que 30 minutos)

Dermoeletroporação: é um método de tratamento que permite a absorção de substâncias ativas (normalmente em soluções iônicas), utilizando equipamentos que geram pulsos elétricos que permitem a abertura de canais celulares eletrodependentes, promovendo assim a passagem dessas substâncias através da epiderme. Em 1970, um grupo de dermatologistas americanos descobriu que, ao aplicar um impulso elétrico intenso por um curto tempo em um comprimento de onda adequado, uma mudança na polarização da membrana celular ocorria, e isso poderia ser usado para promover uma espécie de “pulsação celular”.

Mais literaturas interessantes sobre o assunto:
- Farmacoterapia nas doenças vasculares periféricas.
- Pentoxifilina no tratamento da insuficiência vascular periférica crônica
- Substâncias Cosmetologicamente Activas Caracterização, Indicação, Eficácia e Segurança: Cafeína

sábado, 20 de março de 2010

O que desencadeia a celulite?

Conforme prometido, nesse segundo post vou falar sobre os fatores que desencadeiam a celulite!

Entre esses fatores relacionados com o aparecimento da celulite estão o Linfedema e o lipedema.

Segundo o artigo de Godoy e colaboradores, o linfedema, excesso de líquido intersticial no espaço tecidual, é um dos sinais da insuficiência linfática e ocorre quando a carga linfática ultrapassa o débito linfático, gerando transtornos funcionais, estéticos e psicossociais ao paciente. As infecções e inflamações crônicas no(s) membro(s) edemaciado(s) são fatores que contribuem para redução do transporte e captação do líquido extracelular aumentando progressivamente o linfedema e suas complicações.
É desse excesso de líquido não recaptado que pode se desenvolver a celulite no tecido adiposo subcutâneo.
A baixo dois padrões de linfedema retirados do livro Cellulite Pathophysiology and Treatment. Observe principalmente a região com aparência de "inchada" nos tornozelos.




Já o Lipedema é uma doença crônica do metabolismo lipídico resultando no comprometimento simétrico de distribuição do tecido adiposo e armazenamento combinados com hiperplasia das células individuais de gordura. Esta distribuição anormal de gordura é normalmente visto entre a crista da pelve (osso saltado perto da cintura) e o tornozelo. A menos que tenham sido danificados, os pés parecem não sofrem alterações.

Alguns outros fatores de predisposição para a Celulite são:

Origem étnica. As mulheres brancas têm maior predisposição.
Estrutura corporal, especialmente postural e alterações da coluna vertebral. Problemas como hiperlordose podem desencadear o aparecimento da celulite.
Desequilíbrios hormonais nos pacientes que sofrem de alterações hormonais, em pacientes que consomem hormônios progestágenos ou que consomem suplementos alimentares a base de hormônios.
Transtornos alimentares, particularmente com excesso de açúcar, gordura e hormônios.
Distúrbios digestivos, especialmente aquelas associadas a alterações da flora intestinal.
Os problemas de postura associada a patologias ortopédicas ou com um problemas gerado por exemplo, por uso de calçado inadequado.
Sexualidade. A atividade sexual é uma das atividades básicas da vida, tão essencial quanto alimentar-se, dormir e respirar. Essas devem ser cumpridas, porque eles são o catalisador químico de muitas outras funções biológicas do organismo.
Estilo de vida. Um equilíbrio é necessário entre a dieta, necessidades fisiológicas, trabalho, sono e exercício.
Compressão externa. Roupas excessivamente apertadas não ajudam a linfa do tecido adiposo intestinal ou o sistema de microcirculação cutânea em suas funções, favorecendo a celulite.
Tabagismo. Isso certamente diminui a microcirculação nas arteríolas cutâneas, gerando a hipóxia cutânea tradicionalmente conhecido como peau d'orange.
A ingestão de estro-progestágenos, tais como os incluídos nas pílulas anticoncepcionais e conservantes de alguns alimentos favorecem a retenção de líquidos intersticiais gerando edema endotelial e ativação de reações. O processo gera, inevitavelmente, uma forma ou outra de lipedema e linfedema.

Já entre os fatores que podem desencadear a celulite estão:

Obesidade e sobrepeso: Todas as formas de excesso de peso são caracterizados por um aumento de gordura no tecido subcutâneo.
Hormônio: Estro-progestágenos em particular, mas todos os hormônios presentes nos alimentos, geram alterações típicas, tanto em nível de feedback do sistema endócrino-hipófise, como de receptor periférico, dando origem a diversos fenômenos como a lipogênese, lipedema, e a perda de cálcio nas paredes de vasos venosos e linfático, com o concomitante aumento da permeabilidade capilar e alterações nas reações de oxi-redução nos tecido.
Alterações anatômicas: alterações posturais e distúrbios da marcha (tipo de caminhada) podem interferir com processos metabólicos normais e de microcirculação.
As deficiências nutricionais: dietas pobres em proteínas, vitaminas e fibras, muitas vezes associada a alterações da flora intestinal, tendo como consequência uma estagnação de fezes e dilatação da ampola retal, bem como na compressão das veias ilíacas e subseqüente impedimento do fluxo venoso e linfático no membros inferiores.

Literatura interessante:

- Linfedema: Revisão da literatura
- Lipedema, a frequently unrecognized problem
- Lymphedema, lipedema, and the open wound: The role of compression therapy

Próximo post: Tratamentos para celulite

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Celulite - um problema universal!

É fato: toda mulher se preocupa com o aparecimento da celulite. Umas mais, outras menos, mas a celulite É uma preocupação. Lendo o livro “Cellulite: Pathophysiology and Treatment” me dei conta que alguns detalhes sobre a celulite são desconhecidos, e por isso resolvi fazer uma pequena séries de posts sobre a celulite.

Para começar, algumas informações básicas sobre a celulite:


Como se forma a celulite?

Inicialmente ocorre uma alteração na junção (no esfíncter) entre a arteríola e os capilares sanguíneos da pele levando a uma alteração na permeabilidade vascular. Os capilares são os responsáveis pela irrigação da pele e as arteríolas são vasos sanguíneos que trazem o sangue até esses capilares. Ocorre então uma ectasia capilar, onde os vasos sangüíneos dilatam, o que permite a passagem de líquido para as células adiposas (hipoderme), levando a formação de um edema.
Esse edema causa modificações metabólicas. Essas alteraççoes metabólicas fazem com que o colágeno se disponha ao redor das células do tecido adiposo formando micronódulos. A união desses micronódulos leva a formação de macronódulos, que resultam na formação de escleroses (endurecimento de tecidos).

Anatomicamente, as alterações cutâneas encontradas na celulite são em grande parte devido à fibrose do tecido conjuntivo (gerada pela deposição errática do colágeno) presente na derme e / ou no tecido subcutâneo. Lóbulos de gordura subcutânea são separados um do outro por finos, geralmente rígidos, fios de tecido conjuntivo que atravessam a camada de gordura e se conectam a derme (camada subjacente). Estes “fios teciduais” estabilizam o tecido subcutâneo que dividem a gordura. Quando ocorre uma esclerose nesse tecido (devido a formação dos macronódulos com colágeno) há um encurtamento dos septos (tecido conjntivo) e devido à isso, ocorre uma retração, causando as depressões na superfície da pele que são característicos da celulite.


Porque mulher tem mais celulite que homem?

Nas mulheres os septos fibrosos são geralmente orientados perpendicularmente em relação à superfície cutânea, enquanto nos homens essa orientação tem um padrão cruzado. Vários estudos têm demonstrado que a gordura é dividida em lóbulos, e que nas mulheres, estas são maiores e mais retangular, quando comparados com as dos homens.
Além disso, uma das mais prováveis causas para o aparecimento da celulite é a presença de estrógeno. Esse hormônio é predominante em mulheres, enquanto que em homens sua presença se da em menor concentração. Fato que reforça essa teoria é que a celulite começa a aparecer quando as mulheres entram na puberdade (fase onde aumenta a produção de estrógeno).


Porque pessoas de pele negra tendem a ter menos celulite?

O extrato córneo da pele negra contém mais camadas de células do que na pele branca, porém a espessura é igual. Dessa forma o extrato córneo da pele negra é mais compacto, provavelmente por maior coesão intercelular
Além disso, o diferente conteúdo de melanina e o diferente padrão de dispersão dos melanossomas da pele negra ocasionam uma proteção frente ao sol maior para esses indivíduos, que costumam ter pele mais firme e mais lisa do que a de indivíduos brancos da mesma idade.
Essa maior firmeza e coesão celular da pele negra impedem que a retração das escleroses formadas na celulite apareçam facilmente na superfície da pele.


Nos próximos posts vou falar sobre:
- Fatores desencadeantes
Lipedema e Linfolipoedea, lipodistrofia: o que são e como estão relacionados à celulite.
A postura influencia? A alimentação influencia? Exercícios físicos ajudam?
- Tratamentos: prós e contras

Se você tiver mais dúvidas a respeito do assunto mande para que eu possa enriquecer mais os posts!!!


Literaturas interessantes:

Cellulite: Pathophysiology and Treatment,
       Edited by Mitchel P. Goldman, Pier A. Bacci, Gustavo Leibaschoff, Doris Hexsel, Fabrizio Angelini, 2006.

Abordagens no estudo do envelhecimento cutâneo em diferentes etnias
       Rev. Bras. Farm., 88(2): 59-62, 2007.

Dermatologia na pele negra
       An Bras Dermatol.2008;83(1):7-20.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Fim de verão = Reparo emergencial

É... o verão esta acabando... e junto com ele os cabelos também! Por isso, no post de hoje, resolvi fazer algo que não era beeeem a proposta do blog, mas como muitas pessoas me pedem resolvi postar algumas “dicas para reparo emergencial”.
É fato, uns dias de exposição ao sol e os cabelos começam a ficar ressecados! Há quem ache que é culpa do sal do mar (que eu já disse que é mais culpa da sujeira do mar do que do sal), há quem ache que possa ser da água da piscina, mas a realidade é que se trata de uma combinação de tudo!

Abaixo resolvi colocar algumas imagens (sensacionalistas) de microscopia de cabelos danificados pra você entender o que estou falando.

Imagem de um cabelo normal (saudável)


Imagem de pontas duplas

Imagem de escamas abertas (ressecamento) por uso demasiado de calor (secador e chapinha)


Imagem de dano na estrutura por uso demasiado de alisantes.

Mas o que fazer depois que tudo esta destruído?

Bom, vou dar as MINHAS DICAS. Veja bem, quando eu digo “minhas dicas” quero dizer “o que eu faço” o que pra mim da certo. Não tome isso como verdade absoluta ou resposta milagrosa, mas pra mim pelo menos funcionam.

Vamos às dicas então:

1ª Limpeza profunda. Um dos problemas que pode deixar o cabelo com aspecto desagradável são os resíduos da água do mar,água da piscina, creme sem enxágüe para antes do mar, creme sem enxágüe para usar na praia, creme disso, tinta daquilo etc, etc. Então o ideal é começar usando um xampu anti-resíduo.
Ok, eu sei, nesse momento você deve estar gritando feito uma louca dizendo: “mas esses xampus ressecam o cabelo, meu cabelo já a horrível, porque usar isso?!?” CALMA! Xampu anti-resíduo retira tudo de podre que tem no cabelo. Além disso, ele possui um pH mais alcalino que ajuda na abertura das escamas. Assim, quando você fizer o próximo passo (hidratação) seu cabelo estará mais “receptivo aos tratamentos”!
Alguns Anti-resíduos que eu usei e gostei:
- Neutrogena: é o mais baratinho e tem um resultado ótimo! Tem para vender em algumas farmácias inclusive.
- Schwarzkopf Bonacure Shampoo Anti-Oleosidade: bem bom também, mas é mais caro. Tem pra vender em alguns salões de beleza.
- Paul Mitchell anti-resíduos: também é bom... não é o melhor mas é bom. Tem nas casas de cabeleireiros e salões.
- L'Anza Daily Clarifying Shampoo: é ótimo pra quem tem o cabelo mais sensível, mais ressecado, mas é bem caro.

2ª Hidratação. Dificilmente você irá conseguir um resultado igual ao de hidratações no salão! Por quê? Simples, existem produtos que não são vendidos para o consumidor final, apenas para salão. Mas não se desespere, para um tratamento emergencial tem alguns que são ótimos. Exemplos:
- Ampola da L’Oreal Absolute Repair: Boa e relativamente barata. Ela custa uns 15 reais, mas é para uma única aplicação. Para quem tem cabelo comprido (ou bastante cabelo) o ideal é usar duas ampolas. Geralmente eu uso a combinação Absolute Repair + Vitamino Color.
- Máscara Absolute Repair: também tem a opção de comprar o frasco com a máscara, é mais cara, mas dura muuuito mais.
- Condicionador Ultra Hidratante da Truss: esse é ótimo principalmente pra quem não gosta de volume. Ele deixa o cabelo mais “pesado”, o que tira um pouco o volume.

3ª Finalização. Para finalizar, um reparador de pontas pode ser utilizado. As marcas de reparadores de pontas eu não conheço quase nenhuma. O único que eu conheço é um da Lancome que eu uso (Hair Sensation).
O ideal na aplicação de um reparador de pontas (na minha opinião) é com o cabelo ainda molhado. A umidade do cabelo ajuda a distribuir mais homogeneamente o reparador. Quando o cabelo secar ele não vai ficar com um aspecto tão “pesado ou oleoso” com ficaria se a aplicação fosse feia no cabelo seco.
Pra quem faz chapinha ou escova, outra dica para finalização é o uso de ceras. A única que eu já usei e sei que é boa é a Keune Disconnect Molding Paste. Mas tem que passar pouco (não exagere, ou o cabelo vai ficar com aspecto de “sujo”)!

Esse ciclo, quando meu cabelo está muito danificado, eu repito uma vez por semana, do contrário da pra fazer a cada quinze dias ou uma vez por mês! O Cabelo se recupera aos poucos e fica bem bonito!

Outros produtos interessantes para deixar o cabelo bonito são:
- Shampoo e condicionador Nutri-reparador da Vichy (uso diário): restaura mesmo os cabelos!
- L’Anza Shampoo Remedy: ajuda a manter o cabelo bonito e saudável. É para uso diário, mas é bem caro.
- Cellophane Sebastian: é um conjunto de hidratantes e corantes que conferem um reflexo brilhoso para o cabelo. Não é tinta! Esses corantes são moléculas que se aderem ao fio e refletem a luz do sol em diferentes tons de cores, que vão desde o castanho até o vermelho. Tem a opção incolor também que apenas confere um brilho para o cabelo. Tem um resultado muito legal, mas o produto é caro e difícil de acha para comprar!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Antioxidantes? Radicais livres? Estresse oxidativo?

Você já deve ter ouvido falar, já deve ter lido que esse ou aquele cosmético é bom porque tem antioxidante. Mas você já se perguntou: O que é um antioxidante? Se ele é “anti”, o que ele previne? Se ele previne, como ele faz isso?

Vamos contextualizar então:

ANTIOXIDANTES são substâncias capazes de prevenir a formação dos RADICAIS LIVRES.

Mas quem são esses radicais livres?

Os radicais livres são moléculas ou átomos com um número ímpar de elétrons, eles possuem elétrons de valência desemparelhados, e, portanto, são altamente reativos. No nosso organismo, os radicais livres são produzidos pelas células, durante diversos processos biológicos como por exemplo o processo de conversão dos nutrientes em energia. Esses radicais livres podem danificar células sadias. Entretanto, o nosso organismo através de enzimas e substâncias protetoras repara 99% dos danos causados por essa oxidação, ou seja, o nosso organismo consegue controlar o nível desses radicais através da ação de antioxidantes.
Mas se temos essas substâncias que reparam esses danos, porque a importância dos antioxidantes na alimentação, nos medicamentos ou nos cosméticos?
Alguns fatores externos, aos quais estamos expostos podem aumentar a taxa de produção de radicais livres, fazendo com que o nosso corpo não tenha antioxidantes suficientes para reparar os danos que irão ser gerados. Essa situação onde temos uma produção maior que a eliminação dos radicais livre é chamada de ESTRESSE OXIDATIVO.
O estresse oxidativo pode ser gerado pelos efeitos do sol, contaminação por tabaco e bebida alcoólica. Os radicais livres (“a mais”) formados podem danificar as membranas das células, provocando efeitos negativos sobre várias regiões do corpo como o coração, vasos sangüíneos e a pele, devido à morte ou ao mau funcionamento dessas células.
Por isso a insistência dos nutricionistas por uma boa alimentação. Muitos alimentos são ricos em antioxidantes. Alguns exemplos de alimentos e seus respectivos antioxidantes são:

- Tomate: rico em licopeno e carotenóides.
- Mamão e cenoura: ricos em beta-caroteno.
- Laranja e limão: ricos em vitamina C (ou ácido ascórbico).
- Brócolis e salsa: ricos em flavonóides.
- Curry: rico em curcumina.
- Nozes e óleo de oliva: ricos em polifenóis.
- Chás: ricos em catequinas.
- Vinho: rico em quercetina e resveratrol
- Óleos (girassol, milho, soja): ricos em vitamina E (alfa-tocoferol).
- Cereais, peixes, carnes: ricos em selênio.

Já aquelas pessoas que não tem alimentação saudável, ou que essa ainda não é suficiente, optam pelo uso de suplementos alimentares ou cosméticos a base de antioxidantes.

Na cosmetologia a principal finalidade do uso dos antioxidantes é para a prevenção das rugas. Na pele, os radicais livres atacam as células na parte superficial da epiderme, degradando os fibroblastos da derme (células responsáveis pela firmeza) e podendo, inclusive, lesar a cadeia de DNA, proteínas, carboidratos, lipídios e as membranas celulares na parte mais profunda da epiderme.
O dano à epiderme e à derme ocasiona a formação de depressões (pequenas fendas) que são (macroscopicamente) as rugas. Em casos mais severos, o estresse oxidativo gerado pelo sol (principalmente) pode induzir a formação do câncer de pele.
O uso de antioxidante em preparações cosméticas não irá reparar aquelas rugas marcadas e mais antigas, e sim irá prevenir o aparecimento de novas. Dessa forma, a terapia com esse tipo de cosmético será preventivo, e raramente reparador.

Para terminar gostaria de (re)lembrar as leitoras (que até aqui tiveram paciência de ler) quais são os principais agentes causadores de radicais livres que desencadeiam o envelhecimento precoce e aparecimento de rugas indesejadas:

- Sol em excesso (e principalmente sem proteção) – isso também vale para câmaras de bronzeamento artificial;
- cigarro (e outros tipos de drogas);
- bebida alcoólica.

Links interessantes:

- American Heart Association

- Revista de Nutrição - Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta e Licopeno como agente antioxidante

domingo, 24 de janeiro de 2010

Por que proibiram a vitamina K?

“Parecer Técnico nº 1, de 4 de janeiro de 2010

[...]Considerando a ocorrência de dermatite de contato alérgica no local de aplicação de vitamina K (5, 6);
Considerando que existem relatos de dermatoses ocupacionais alérgicas relacionadas à vitamina K (5,6);
Considerando que há casos de dermatite de contato alérgica pelo uso de vitamina K contida em cremes cosméticos (7-9)[...]”

Recentemente a Câmara Técnica de Cosméticos (CATEC), que faz acessoria para a ANVISA, emitiu um parecer técnico que proíbe o uso da vitamina K em cosméticos.
Mas antes que você saia por ai achando que a vitamina K é “um agente químico terrível, criado pela indústria farmacêutica para ralar (para não usar outros termos piores) com a sua vida” entenda o que é a vitamina K:

A vitamina K foi descoberta em 1929 por Henrik Dam, como um fator anti-hemorrágico, capaz de reverter desordens sangüíneas observadas em galinhas, alimentadas com dieta livre de gordura. Ela é formada por um grupo de diferentes substâncias que apresentam em comum o núcleo naftoquinona, são elas:
     - vitamina K1 (filoquinona ou fitomenadiona): encontrada em plantas, principalmente de folhas verdes escura;
     - vitamina K2 (menaquinona): formada como resultado da ação bacteriana no trato intestinal;
     - vitamina K3 (menadiona): composto lipossolúvel sintético, é cerca de duas vezes mais potente biologicamente que as vitaminas K1 e K2.
A vitamina K atua como co-fator (substâncias necessárias ao funcionamento das enzimas) essencial na reação do ácido glutâmico que leva à formação de um composto chamado Gla. Esse composto capacita as proteínas de coagulação a se ligarem ao cálcio possibilitando a ocorrência do processo de coagulação sangüínea normal.
Foram descobertos diversos outros grupos de proteínas dependentes da vitamina K, que não têm conexão com a coagulação sangüínea, mas estão ligadas ao cálcio. Essas proteínas que contém Gla são conhecidas por ocorrerem em um grande número de tecidos e órgãos como osso, rim, placenta, pâncreas, vesícula e pulmão.

Até ai nenhum problema aparente com essa substância tão comum ao nosso organismo!
Pois bem, na cosmetologia a vitamina K é utilizada para o tratamento de olheiras ou hiperpigmentação peri, infra ou suborbital, (denominações para o escurecimento da região ao redor dos olhos, em forma de semicírculos, que afetam principalmente a região da pálpebra inferior) por apresentar ação vasoprotetora, reparadora (dos vasos sangüíneos) e clareadora (agindo como antioxidante).
O problema é que dados existentes na literatura apontam a ocorrência de hipersensibilidade local e dermatite de contato (um tipo de irritação, alergia) após a aplicação de vitamina K (tanto na aplicação injetável como na aplicação tópica – cremes de uso cosmético).
Como os COSMÉTICOS possuem uma venda livre no mercado, não necessitando ficar “atrás do balcão das farmácias”, ficam direto ao alcance de qualquer consumidor. E daí você se pergunta: Ta, mas qual a diferença entre ficar atrás do balcão ou ao alcance do consumidor?
Todos os MEDICAMENTOS devem por lei ficar atrás do balcão das farmácias, ou seja, “para que o usuário faça a solicitação ao farmacêutico e receba o produto com a orientação necessária”. Embora a venda de medicamentos não seja totalmente controlada (como deveria ser), a ANVISA parte do pressuposto que se o produto não estiver exposto o cliente só saberá da sua existência (e da sua finalidade) se tiver consultado um medico previamente. Também, que ao solicitar ao farmacêutico esse poderá ainda reforçar orientações de uso.
Dessa forma, a proibição da vitamina K não significa que as mulheres não poderão mais comprar cremes com esse composto (não será ilegal). Apenas, a partir de agora, as formulações a base de vitamina k deverão ser registradas e comercializadas como MEDICAMENTOS, devendo o consumidor discutir com seu dermatologista se é adequado ou não o seu uso. A vitamina K simplesmente deixou de ser mais um creme que o consumidor pega da prateleira sem sequer saber os riscos que o produto traz.
Outros ativos, bem conhecidos, também têm seu uso proibido pela ANVISA em COSMÉTICOS entre eles estão: ácido retinóico (isotretinoína ou tretinoína), peróxido de benzoíla (para acne) e qualquer antibiótico (também usados para acne). Todos são vendidos como medicamentos, que devem ser prescritos por médicos (pelo menos na teoria deveriam ser!).

PS: Esse post foi em homenagem à minha grande colega farmacêutica Ana Luiza Maurer da Silva!

sábado, 23 de janeiro de 2010

O Batom que ainda preocupa


"Homens: Não deixem de passar este informativo para suas esposas,
filhas, namoradas, amigas ou colegas de trabalho.
Mulheres: Atenção para o batom que usam.
A Dra. Elizabeth Ayoub, é médica biomolecular e emitiu um alerta para
batons contendo chumbo, que é uma substância cancerígena."


E é assim que o sensacionalismo se inicia... Esse e-mail circula desde 2003 e pasmem: até hoje algumas pessoas ainda se preocupam com isso!
Esse e-mail foi baseado em fatos infundados, com informações mentirosas, mas como a grande massa prefere acreditar nesse tipo de “fonte de informação” ao invés de procurar fontes mais confiáveis, fez-se o caos! 

Vamos então às mentiras: 
- O e-mail fala para passar um anel de ouro no batom, e que aparecendo um marca preta isso seria indicativo de chumbo. Até onde eu sei não existe uma reação entre ouro e chumbo que pudesse ter como produto algo de coloração preta. Mas então porque fica preto?! Simples: SUJEIRA! É milenar a prática de limpar jóias com batom ou talco. Ambos são capazes de polir as jóias, limpando-as, o que confere um brilho! Inclusive passeando pela internet (nesse assunto) vi o depoimento de uma menina que falou: “Eu testei primeiro no batom da marca x e o da marca y que ficou preto, quando testei o terceiro batom, da marca z, não ficou preto!!!” Lógico!!! O Anel já estava limpo! 
- A Dra. Elizabeth Ayoub, é uma nutricionista e não médica biomolecular, a coitada estava pedindo na internet que ajudasse ela a desmentir tudo. Ela nunca falou nada disso! 
- Alem disso tudo, bastava fazer uma pesquisa no site do FDA cruzando os termos “lead” (chumbo) e “lipstick” (batom) para descobrir que tudo isso é uma farsa. A baixo uma tradução de uma das páginas do FDA sobre esse assunto. 

O chumbo é um contaminante intencional ou impurezas que podem estar presentes em níveis muito baixos em alguns aditivos de cor e de outros ingredientes comuns, como a água, que são usados para produzir cosméticos. O FDA realizou recentemente um teste dos níveis de chumbo em batons específicos. Os resultados mostraram que os níveis de chumbo encontrado nas amostras de batom eram extremamente baixos, e o FDA não acredita que os produtos testados gerem preocupação quanto a sua segurança. Os resultados deste teste estão disponíveis no artigo, Determination of total lead in lipstick” (Determinação de chumbo total em batom), publicado em julho-agosto 2009 edição do Journal of Cosmetic Science.
O FDA pretende realizar mais testes com batons comercializados nos EUA e vai avaliar se ainda será necessária qualquer ação do FDA, baseada em suas conclusões.

Ainda tem uma página de perguntas e respostas sobre esse assunto bem interessante na página do FDA, mas não coloquei aqui porque era muito extensa. Se você não sabe inglês, use o Google tradutor, fica meio torta a tradução, mas já ajuda a entender. 

De tudo que li sobre o assunto na internet percebi que isso era sensacionalismo de algumas organizações “anti produtos químicos”, visto que essa notícia começou a se espalhar após a Campanha por Cosméticos Seguros (Campaign for Safe Cosmetics).  
Esse tipo de notícia não deve ser levada a sério se órgãos responsáveis pela segurança de produtos destinados ao uso humano (como a ANVISA, no Brasil, e o FDA, nos EUA) não se manifestarem. Se indústrias tentam colocar produtos feitos “de qualquer jeito” no mercado, “porque elas não estariam nem ai para os consumidores (só visando o próprio lucro)”, pode ter certeza que os órgãos regulamentadores não deixariam esses produtos passarem para o mercado! 
Por isso lembrem-se bem: Esses órgãos nos protegem, produtos registrados e regulamentados são seguros! Já aqueles falsificados, que muitas pessoas insistem em comprar no dito “mercado negro” não se pode garantir a procedência e principalmente a segurança.



quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

20 de Janeiro - O dia do Farmacêutico

"Se procurar bem você acaba encontrando.
Não a explicação (duvidosa) da vida,
Mas a poesia (inexplicável) da vida."

É com esse poema de um farmacêutico (SIM! Para você que não sabe, Carlos Drummond de Andrade era formado em Farmácia), que eu parabenizo todos os meus colegas de profissão nesse nosso dia!

PARABÉNS FARMACÊUTICOS!

A Estrutura da Pele

A pele é o maior órgão do corpo humano, composta por três camadas: a epiderme, a derme e a hipoderme (camada mais interna de tecido adiposo). Ela atua como uma barreira protetora, prevenindo a perda de água e bloqueando a entrada de agentes exógenos.
Epiderme: é constituída de várias camadas de queratinócitos (células responsáveis pela produção de queratina) em diferentes estágios de maturação. Essa é a camada responsável pela prevenção da desidratação das demais camadas. Na epiderme está o extrato córneo, que é a parte mais externa da epiderme. O extrato córneo é a barreira protetora contra a penetração de substâncias estranhas ao corpo.
Derme: é um tecido elástico e resistente que proporciona resistência física ao corpo inteiro. Essa camada fornece os nutrientes para a derme e é formada por células como fibroblastos, granulócitos, colágeno, elastina, glicosaminoglicanos e glicoproteínas.


A Estrutura do Cabelo

O fio de cabelo é formado pelos seguintes componentes: a cutícula, o córtex e a medula.
Cutícula: é constituída por proteínas, é parte mais externa do fio, sendo responsável pela proteção das células do córtex. É a camada cujas propriedades estruturais servem de proteção contra influências externas, ela é responsável pelo ingresso e egresso de água, o que permite manter as propriedades físicas da fibra. É formada por células escamosas de queratina que se sobrepõem umas as outras, lembrando escamas de peixe, formando uma cobertura.
Cortex: ocupa a maior área seccionada do fio (75 %) e é constituído por células ricas em ligações cruzadas de cistina (enxofre) e células rígidas separadas uma a uma por uma membrana celular. O córtex é formado por macrofibrilas de queratina alinhadas na direção do fio. Distribuídos aleatoriamente no córtex estão os grânulos de melanina cujo tipo, tamanho e quantidade determinam a cor do cabelo.
Medula: No interior do córtex está localizada a medula, porém esse componente pode estar presente ou ausente ao longo do comprimento do fio.